Incendio na amazonia 2019

deforestación del amazonas por año

Este texto fue publicado originalmente por <a href=’https://revistapesquisa.fapesp.br/’>Pesquisa FAPESP</a> según la <a href=’https://creativecommons.org/licenses/by-nd/4.0/’> licencia Creative Commons CC-BY-NC-ND</a>. Lee el <a href=’https://revistapesquisa.fapesp.br/queimadas-na-amazonia-aumentam-internacoes/’ target=’_blank’>original aquí</a>.</p><script>var img = new Image(); img.src=’https://revistapesquisa.fapesp.br/republicacao_frame?id=351510&referer=’ + window.location.href;</script>

desflorestação inpe 2020

A floresta tropical amazónica está a ser consumida por mais de 72.000 fogos até agora em 2019. A quantidade recorde de devastação, que está actualmente a afectar a floresta tropical mais importante da região, faz soar o alarme em todo o mundo.

«Os grupos indígenas estão a sofrer o impacto porque até a nossa fonte de alimentos está a começar a mudar. Hoje o que procuramos não está próximo, por isso temos de ir à cidade e obter alimentos industrializados», disse Thiago Parintintintin, um ambientalista indígena e membro da tribo Parintintintin, à Reuters.

queimadas brasil

Segundo números do Instituto Nacional de Investigação Espacial (INPE) do Brasil, foram detectados 72.843 incêndios na Amazónia desde Janeiro de 2019. Isto representa um aumento de 83% em comparação com os incêndios registados em 2018, o valor mais alto desde o início dos registos em 2013.

Por seu lado, Alberto Setzer, investigador do INPE, mencionou: «A ‘estação seca’ cria condições favoráveis para a utilização e propagação do fogo, mas o início de um incêndio é obra de seres humanos, quer deliberadamente quer por acidente».

queimadas no pantanal 2020

Segundo números do Instituto Nacional de Investigação Espacial (INPE) do Brasil, foram detectados 72.843 incêndios na Amazónia desde Janeiro de 2019. Isto representa um aumento de 83% em comparação com os incêndios registados em 2018, o valor mais alto desde o início dos registos em 2013.

Por seu lado, Alberto Setzer, investigador do INPE, mencionou: «A ‘estação seca’ cria condições favoráveis para a utilização e propagação do fogo, mas o início de um incêndio é obra de seres humanos, quer deliberadamente quer por acidente».